Sala de imprensa

 

CRÍTICA DE CD
Por
Jack Rummel

 

Ernesto Nazareth – Obras Raras

Alexandre Dias, piano

(Selo Choro Music)

Cuéra / Encantador / Cruz, Perigo! / Orminda / Succolento / Paulicéa, como és Formosa! / Podia ser Pior / Phantastica / Soberano / Furinga / Catrapuz / Proeminente / Hespañolita / Ramirinho.

 

Os tempos estão mudando – de novo.  Este CD sem nenhuma embalagem chegou à minha caixa de correio como presente de Frank French, ele próprio um campeão de música latina, sugerindo que eu fizesse a crítica. Com um conhecimento efêmero da obra do grande compositor brasileiro Ernesto Nazareth (1863-1934), contemporâneo de Scott Joplin, eu sabia que qualquer gravação recomendada por French – e por Tom McDermott, que também mergulhou na música brasileira – merecia ser ouvida.           

Alexandre Dias é um jovem pianista de Brasília que pesquisa as obras de Nazareth desde 1999, enfatizando suas composições inéditas. Recentemente ele se comprometeu a gravar todos os 212 tangos, polcas, valsas e outras criações de Nazareth, e este CD, de todas as peças inéditas, é o primeiro do que poderá vir a se transformar em um longo compromisso.           

A mudança à qual me refiro é no método da distribuição. Esta coleção não existe em formato de CD – ainda. Em vez disso, os compradores interessados estão convidados a visitar um website, no qual poderá ser feito o download de qualquer das 14 faixas (individualmente ou como um pacote) em formato de arquivos MP3 e, a seguir, transferidas para um computador, um iPod ou para um CD virgem.           

O que não existe é um pacote físico. Não há a embalagem de plástico duro para o CD, não há titulo, não há arte nem texto algum, mas você tem liberdade de criá-los você mesmo.  Algumas informações adicionais estão disponíveis no website, e a maioria dos computadores conta com pacotes que têm programas de edição de imagens.           

A música, no entanto, é maravilhosa. Dias tem um toque impecável e um senso nato dos ritmos. O som gravado tem um clima de intimidade, suas dinâmicas são bem escolhidas e seu uso de rubato (flexibilidade rítmica) é super correto. O resultado iguala-se a qualquer gravação anterior de Nazareth que já ouvi, e, em alguns casos, talvez melhor.  Há muita variedade, como atestam a tradução para o inglês dos títulos (“Hotshot”, “Enchanting”, “Juicy”, “It could be worse” e “Sovereign”, para dizer só alguns).           

As obras de Nazareth foram adotadas por muitos músicos de ragtime em virtude do grande uso de sincopado e de sua musicalidade inerente. Agora, de repente, há mais 14 peças para serem exploradas (as partituras que acompanham vão estar logo disponíveis pra download). Será que isso vai se transformar na maneira futura de se disponibilizar música para venda?  Será que os CDs são uma espécie em extinção?  Não importa. Alexandre Dias é um pianista talentoso, e a música – com ou sem embalagem – fala amplamente por si mesma.  Que os espíritos possam recompensá-lo com a força necessária para concluir seu objetivo!           

Disponível em <www.choromusic.com.br/mp3part-enraras.htm>.  As faixas individuais custam R$1,99 cada; um pacote com todas as 14 faixas sai por R$21,99.

 

< Voltar